TelexFREE: Relator do processo contra Cunha foi apoiado por ex-líder da empresa

Fausto Pinato foi escolhido pelo presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar para relatar ação que apurará quebra de decoro do presidente da Câmara dos Deputados

Fausto Pinato (PRB-SP) foi eleito graças ao número de votos de Russomano, da mesma legendaAlan Sampaio /iG Brasília – 05.11.2015

Fausto Pinato (PRB-SP) foi eleito graças ao número de votos de Russomano, da mesma legenda

O deputado Fausto Pinato (PRB-SP) é o relator escolhido para tratar do processo em que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), é alvo. Cunha foi representado pelo PSOL e Rede Sustentabilidade por supostamente ter mentido a respeito da titularidade de contas na Suíça quando falou na CPI da Petrobras. Além de Pinato, estavam na lista tríplice de possíveis relatores do processo de Cunha os deputados Zé Geraldo (PT-PA) e Vinicius Gurgel (PR-AP).

Advogado, Pinato está em seu primeiro mandato e foi eleito na esteira da votação conquistada pela estrela maior do PRB na Câmara, o deputado Celso Russomanno (SP), que obteve 1.524.361 de votos. Pinato recebeu somente 22.097 e acabou eleito na última vaga para a Câmara dos Deputados. Sua campanha custou, segundo dados do TSE, R$ 143.644,67, valor considerado baixo quando comparado a de outros parlamentares. Seu patrimônio declarado à Justiça Eleitoral em 2014 foi de R$ 117.341,13.

Assista ao anúncio feito pelo presidente do Conselho de Ética:

No entanto, o parlamentar recebeu nas eleições de 2014 doações de campanha de empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato, por meio do Comitê Financeiro Único. De acordo com o TSE, a Constran S/A teria doado ao político ao menos R$ 6.480 e a Queiroz Galvão, no mínimo, R$ 5.500.

Além das construtoras, a empresa Bradesco Saúde teria doado cerca de R$ 12 mil a Pinato. A Pag Club e a rede de supermercados Pessotto também doaram, aproximadamente, R$ 10 mil cada uma.

A candidatura de Russomanno teve esse propósito de fato, alavancar a bancada do PRB na Casa para obter mais tempo de TV no horário eleitoral e assim disputar a prefeitura de São Paulo com mais exposição e, na avaliação do pré-candidato e de seu partido, mais chances de vitória.

Deputado federal Celso Russommano (PRB-SP) é considerado o mentor de PinatoAlex Ferreira / Câmara dos Deputados – 22.10.15

Deputado federal Celso Russommano (PRB-SP) é considerado o mentor de Pinato

A partir da escolha de Pinato como relator, começa a contar o prazo da entrega do relatório preliminar, que vai ocorrer na sessão do dia 24. A partir da entrega do relatório preliminar, Cunha terá 10 dias úteis para apresentar sua defesa. O prazo total do processo, de 90 dias, começou a ser contado na terça-feira (3), quando da instalação do processo no Conselho de Ética. Esse prazo de 90 dias pode ser prorrogado por outros 30 dias.

É esse relatório preliminar que define pela continuidade ou não do processo. Ao final da sessão em que foi escolhida a lista tríplice, Pinato chegou a declarar que não tinha medo de relatar o processo contra Cunha e que o faria sem problemas.

Telexfree
Em outubro de 2014, o iG revelou que Pinato foi apoiado por um ex-líder da Telexfree, empresa acusada de fraudar as relações de consumo para criar uma pirâmide financeira e prejudicar mais de 1 milhão de pessoas no País. Na ocasião, Pinato recebeu o apoio de Misael Martins, que em dezembro de 2012 recebeu cheque simbólico no valor de R$ 2,9 milhões da Telexfree por ser um de seus mais destacados divulgadores.

Leia também: Últimas notícias TelexFREE
  • A reportagem revelou que essa relação de apoio foi explicitada em um vídeo publicado na página do então candidato Pinato no Facebook. “Hoje estou aqui com Fausto Pinato, uma pessoa que está lutando junto com a gente para que nós possamos ter realmente o marketing legal dentro do Brasil. Uma regulamentação para que essa legislação realmente seja cumprida para todos os marketings", diz Martins.

Na ocasião, Pinato declarou ao iG que não tinha conhecimento da relação de Martins com a Telexfree. Disse ainda que não defende a empresa, mas que busca uma regulamentação específica para o marketing multinível. "Não confunda eu estar defendendo o marketing multinível com eu estar defendendo pessoas que deram estelionato no mercado. Agora, o Misael (Martins), não sei do passado dele. A One Thor vem entregando os produtos, não vem dando calote", afirmou ele numa referência a One Thor, empresa presidida na época por Martins.

As informações são do iG.

Envie uma resposta