Perseguição: Servidor do Huerb é remanejado após quase 24 anos de serviço

perseguicaoPTApós quase 24 anos trabalhando no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb), o enfermeiro João Batista Ferreira, de 43 anos, recebeu a notícia de que seria remanejado para o Hospital de Saúde Mental (Hosmac). Inconformado, ele acredita que o remanejamento tem a ver com sua participação nas lutas sindicais e que seria uma “perseguição ao sindicalismo”.

Ao G1, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) informou que o remanejamento de Batista foi um procedimento “normal” e que não tem nenhuma motivação política.

A informação de que seria transferido de hospital, segundo ele, foi dada por telefone e sem justificativa alguma. Nesta sexta-feira (12), ao menos 100 pessoas, entre funcionários do Huerb e representantes sindicais, fizeram um protesto em frente ao hospital cobrando justificativa por parte da Sesacre.

“Na última sexta-feira (5) me ligaram da Sesacre para eu comparecer lá e pegar um documento e me apresentar no Hosmac. Perguntei o motivo e não me disseram nada até agora. Acredito que tem a ver com a resistência que a gente oferece à terceirização do serviço público na unidade, talvez tirando essa resistência fica mais fácil para o governo implantar”, afirmou Ferreira.

O servidor público disse que esperava ao menos uma ligação da gerência de enfermagem, já que trabalha no local há tantos anos.

“Me senti muito decepcionado com essa maneira de gestão, porque esperava no mínimo uma ligação da gerente de enfermagem e até hoje não recebi nenhuma. Fizemos um ato de despedida do Huerb, com muita tristeza. Pedi um documento que justificasse minha transferência, protocolei um pedido solicitando essa informação”, contou o enfermeiro.

O presidente do Sindicato dos Médicos do Acre, José Ribamar, esteve presente no protesto e disse que a ideia do ato era dar apoio ao servidor.

“O nosso sindicato foi prestar apoio e solidariedade ao sindicalista que, através de uma medida intempestiva do governo, foi transferido do seu posto de trabalho. Essa medida desgostou a ele e às entidades sindicais. A ideia foi mostrar que o sindicalismo está sofrendo um duro golpe. Isso é uma perseguição por parte do governo que está procurando intimidar quem está no sindicato”, afirmou Ribamar.

Servidor diz que trabalhou mais de 20 anos no Huerb (Foto: Divulgação/Sindicato dos Médicos)

Servidor diz que trabalhou mais de 20 anos no Huerb (Foto: Divulgação/Sindicato dos Médicos).

As informações são do G1 AC, por Iryá Rodrigues.