No Acre, advogado grava vídeo com suposta submetralhadora e OAB instaura processo administrativo

advogado1Em vídeo mostra o advogado acreano Manoel Elivaldo Batista de Lima segurando uma suposta submetralhadora de uso restrito das Forças Armadas. A gravação foi divulgada nas redes sociais, aplicativos de mensagem e se tornou viral nesta quinta-feira (23), ganhando grande repercussão.

Nas imagens, o advogado aparece movimentando a arma e fazendo acenos de disparo com o objeto para a câmera.

O G1 tentou entrar em contato com Lima por diversas vezes, mas não obteve retorno até esta publicação.

Marcos Vinícius Jardim, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Acre (OAB-AC), declarou que a conduta de Lima foi inadequada, ofendeu a classe profissional e extrapolou o campo da expressão pessoal.

Ele afirmou que a atitude do advogado não condiz com as normas da instituição e que um procedimento administrativo para apurar o caso vai ser instaurado.

“A OAB tem um trâmite de atuação administrativa. Quando um advogado toma uma conduta inadequada, estamos autorizados, dentro dos parâmetros que a Ordem tem, a instaurar procedimentos de ética e temos a sanções adequadas a irregularidade cometida. Vi alguns vídeos do advogado portando a arma e tive a informação de que a arma é adulterada”, disse Jardim.

O presidente da OAB-AC explicou que a primeira etapa do procedimento administrativo vai ser chamar Lima para explicar a situação e garantir o direito de defesa dele. O depoimento vai ser prestado no Tribunal de Ética da OAB-AC.

De acordo com ele, cabe ao tribunal adotar sanções ou medidas cautelares contra o advogado. Uma delas pode ser a suspensão do registro profissional.

“A postura de Lima foi vista pela OAB-AC com muito constrangimento. Advogado tem que ter conduta, ética e comportamento compatível com a instituição e a própria finalidade da profissão. Quem tem a função de defender a vida, dignidade, liberdade e patrimônio das pessoas não pode ter uma conduta tão chocante e tosca como esse rapaz está tendo agora”, pontou o presidente da OAB-AC.

Em vídeo, advogado exibe arma que parece uma submetralhadora

‘Fanfarronice’

A OAB-AC publicou uma nota repudiando a atitude de Lima e lembrou que as regras destacadas são muito mais que meros conselhos restritos à atividade-fim da Advocacia, mas verdadeiros conceitos deontológicos para quem tem a missão de advogar.

“O advogado que se presta à fanfarronice, bravatas, incontinências públicas e até a prática de ilícitos é um NÃO advogado e assim será considerado pela OAB-AC. O profissional que, de forma incauta publiciza, comportamento temerário, evidenciando conduta criminosa será chamado à responsabilidade de acordo com as normas da instituição”, diz uma parte da publicação.

A nota pública enfatiza ainda que assim como os advogados são voluntariosos na defesa das próprias prerrogativas, são “igualmente obstinados no compromisso com a ética, com a moral e com o comportamento compatível com a nobre missão da Advocacia”.

As informações são do G1 AC, por Luan Cesar.