Huerb e outras obras da Saúde que estão paralisadas serão auditadas, afirma Ministro

minEm agenda no Acre nesta segunda-feira (26), o ministro da Saúde, Ricardo Barros, anunciou que as obras do novo Pronto-Socorro de Rio Branco e outras que estão paradas devem passar por uma análise do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus).

Sem precisar data, Barros diz que uma equipe deve visitar o estado e fazer um relatório sobre as obras que já deviam ter sido entregues. Em coletiva, o ministro também informou que R$ 6,5 milhões devem ser liberados para investimentos na atenção básica e no setor de urgência e emergência.

O novo Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) deveria ter sido entregue há quase cinco anos. Porém, segundo a Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) as obras estão paralisadas devido a falta de repasses de recursos do Ministério da Saúde. O prédio deveria ter sido entregue no primeiro semestre de 2012, sendo que as obras iniciaram em 2010.

“Em poucos dias, uma equipe do Denasus será mandada. Teremos um relatório, não só sobre essa obra, mas de outras que estão inacabadas que temos aqui no estado, inclusive, o Instituto de Traumatologia, que é um hospital federal do Rio de janeiro, que tem uma extensão aqui”, destacou.

Além disso, Barros assegurou que os investimentos serão mantidos durante todos os anos.

“O estado tem vários problemas, porque tem várias regiões de saúde que precisam de atenção. O estado é muito amplo e cada região tem uma solução necessária e diferente. Mas, nós procuraremos investir os recursos necessários para concluir a obra, que está bastante adiantada. Não podemos colocar recursos, além daqueles que estão no convênio, por isso a auditoria”, explicou.

No primeiro ano de gestão como ministro da Saúde, Barros diz que com essa nova liberação já são R$ 65 milhões enviados ao Acre, contabilizando as emendas federais. O ministro visitou as obras do novo Pronto-Socorro e também se reuniu com todos os gestores na Associação dos Municípios do Estado do Acre (Amac).

Huerb, em Rio Branco, está com obra paralisada há quase cinco anos  (Foto: Quésia Melo/G1)

Huerb, em Rio Branco, está com obra paralisada há quase cinco anos (Foto: Quésia Melo/G1)