Após criança ser infectada com HIV, Promotora diz que existe ‘falha séria’ na estrutura do Hemoacre

promot-alessandraEm entrevista ao programa ‘Audiência Pública’, da CBN, a promotora Alessandra Marques falou sobre o caso da menina de 4 anos infectada pelo Vírus da Imunodeficiência Adquirida (HIV) após uma transfusão de sangue. Segundo ela, existe uma falha séria na estrutura e organização do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Acre (Hemoacre).

“O que precisa ser pensado, propriamente, é a estrutura do Hemoacre. Tem uma falha muito séria na estrutura e organização do Hemoacre. Então, o MP não está falando diretamente da qualidade dos profissionais que ali trabalham, mas do modo como tem sido gerida essa unidade, que é de fundamental importância para o estado do Acre”, afirmou Alessandra.

Representante da Promotora de Defesa da Saúde do Ministério Público do estado (MP-AC), Alessandra comentou sobre o inquérito civil que o órgão instaurou para investigar o caso e sobre uma série de denúncias que chegou até o MP.

“O que de fato interessa, é que, em um primeiro momento, as informações que chegaram até o Ministério Público é que a situação do Hemoacre é extremamente precária. Que faltam kits para os exames, que muitas vezes a sociedade é informada de que não existe sangue, mas que, de fato, o sangue fica ali porque não têm os kits para que sejam feitos os exames”, declarou a promotora.

O hematologista e hemoterapeuta Denis Fujimoto também esteve no programa da rádio e falou novamente sobre a janela sorológica. Segundo ele, a sorologia foi um dos primeiros testes desenvolvidos para diagnosticar o HIV. O exame consiste em detectar os anticorpos que tentam combater o vírus.

“O único instrumento hoje que temos para prevenir essa janela sorológica é a triagem clínica, no caso, a entrevista ao doador. Por isso que são feitas perguntas. Realmente, as doenças transmissíveis por transfusão têm muita relação com outros comportamentos humanos. E essas informações são extremamente importantes, porque se houver qualquer suspeita, na dúvida, a gente tem que bloquear aquela doação para evitar esses problemas na atual janela sorológica, que é de sete dias”, disse o médico.

Sobre a questão da janela sorológica e entrevista com os doadores, a promotora falou que é preciso que se preocupe muito mais do que isso. Alessandra afirmou que o sistema tem que trabalhar com o fato de que o doador pode ir até o hemocentro e não falar a verdade na entrevista.

“É muito fácil você chegar diante de um evento tão trágico quanto esse e dizer que, possivelmente, o doador estava na janela imunológica, que não, ele mentiu. Não, o sistema não pode falhar desse jeito, sob pena de responsabilidade civil, criminal e improbidade administrativa, que são as responsabilidades que serão apuradas, inclusive, no inquérito civil”, alertou a promotora.

O médico disse que não é habitual dos doadores mentirem nas entrevistas. “A transfusão mais salvou vidas e vem salvando todos os dias aqui no nosso estado. E, por isso, nossos doadores devem ser considerados como nossos grandes heróis e não é perfil do doador mentir na entrevista”, disse Fujimoto.

Contaminação

Uma menina de 4 anos foi infectada com o vírus HIV após receber uma transfusão de sangue de um doador no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Acre (Hemoacre) em Rio Branco.

O caso foi divulgado por meio de nota, na quinta-feira (22), assinada pelo secretário de Saúde do Acre, Gemil Junior, e pela gerente-geral do Hemoacre, Elba Luiza. Os órgãos de saúde afirmam que o caso é uma “fatalidade” e não divulgaram a data em que ocorreu o episódio.

O caso da contaminação é muito raro, de acordo com o hematologista e hemoterapeuta Denis Fujimoto.

O especialista afirmou, durante entrevista ao Jornal do Acre 1ª Edição de sábado (24), que o caso no hemocentro do Acre é o terceiro registrado no Brasil desde a descoberta do HIV, em 1986.

No entanto, no período de ao menos 20 dias, existe a possibilidade de a pessoa ter sido infectada e ainda não ter criado anticorpos o suficiente para serem detectados no exame. Na descoberta da doença, essa janela era de 45 dias, mas foi reduzida para 20 devido ao avanço tecnológico dos testes.

“Mesmo que o teste seja mais sensível, ainda vai depender da produção desse anticorpo do paciente. Se após o teste sorológico o resultado é negativo, o sangue é liberado”, explicou.

O hematologista afirma que o Hemoacre seguiu as exigências determinadas pelo Ministério da Saúde para garantir a segurança das transfusões. Ele explicou que os testes que devem ser feitos no sangue são para detectar o vírus HIV, hepatite, o vírus-T linfotrópico humano (HTLV), sífilis e doença de Chagas.

Recentemente, de acordo com o especialista, o Ministério da Saúde implantou o Teste de Ácido Nucleico (NAT) que atua pesquisando o vírus no sangue o que consegue reduzir a janela sorológica para sete dias. Porém, reiterou que o exame reduz, mas não zera a janela sorológica.

Para ele, o Ministério da Saúde, após o ocorrido no Acre, pode rever alguns protocolos e até buscar melhorias no NAT para tentar uma melhor cobertura.

As informações são do G1 AC, por Iryá Rodrigues e Júnia Vasconcelos.