A queda da TelexFREE: Indícios, interesses e principais atores

Ontem (12), os magistrados do Acre decidiram manter o bloqueio da empresa Ympactus Comercial Ltda (TelexFREE), apenas com base em indícios de crime contra a economia popular, atingindo interesses socioeconômicos diretos de quase dois milhões de brasileiros.

Por unanimidade, a Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), que teve como relator do processo o desembargador Samuel Evangelista, manteve os efeitos da liminar impedindo a retomada das atividades da empresa e dos milhões de divulgadores em todo país.

A ação que paralisou a TelexFREE foi desencadeada pelo Governo do Estado do Acre, inicialmente através do Procon-AC (demandante da ação), órgão diretamente ligado a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos, ou seja, sob o comando e responsabilidade administrativa do governador Tião Viana (PT), conforme pode ser conferido AQUI. O Procon-AC é gerenciado pela esposa do vice-governador do Acre, César Messias.

O Ministério Público do Estado do Acre (MP/AC), que recebeu a demanda do Procon/AC e moveu ação contra empresa, é um órgão também diretamente vinculado ao governo do Acre, tendo como atual procuradora-geral a competente Dra. Patrícia Rêgo, nomeada pelo governador, filha de José Fernandes do Rego, um dos principais e mais influentes Secretários do governador Tião Viana.

A juíza Thaís Borges, da 2ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco, que julgou favorável a medida proposta pelo MP/AC para suspender as atividades da empresa, é esposa do ex-vereador comunista e ex-secretário Municipal de Saúde da Prefeitura de Rio Branco, Paskal Kalil, considerado um dos principais líderes do PCdoB no Acre, mesmo partido do deputado Moisés Diniz (PCdoB).

O atual presidente do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), Desembargador Roberto Barros, foi também Procurador-Geral do Estado, cargos da mais alta confiança do governador do Acre. Detentor de conduta técnica, moral e política irretocável, teve uma ascensão meteórica, sendo nomeado como o mais novo Desembargador da história do judiciário acreano, também pelo governador Tião Viana.

Após o Acrealerta.com tornar público que responsabilidade da ação contra a TelexFREE seria do Governo do Acre, gerando uma verdadeira revolta dos Divulgadores contra Tião Viana, os articuladores da base governista, percebendo o impacto político negativo as vésperas de uma eleição, rapidamente trataram de agir.

Primeiro, emitiram uma Nota Oficial do governo, negando a participação e responsabilidade no caso. Não amenizou, quando publicamos nova matéria esclarecendo que o Procon-AC e MP/AC são órgãos sob o comando direto do Governador, e o tiro saiu pela culatra.

Em seguida, a tropa de choque foi acionada. O deputado Moisés Diniz, ainda com pouca informação sobre o tema, “entrou na briga”. De forma inicialmente confusa e contraditória nos seus posicionamentos, logo foi duramente bombardeado pelos Divulgadores.

Considerado um dos mais cultos e políticos profissionais do Acre, Diniz refez suas declarações a rapidamente tratou de conquistar os corações dos Divulgadores, trazendo para seu lado principais líderes da TelexFREE no Acre, através da criação de um Comitê de Apoio, assumindo posição de destaque nas reuniões com os Divulgadores e mobilizando outras com governo e órgãos envolvidos.

Como num passe de mágica, jogando para a torcida, Diniz assumiu uma postura de defesa incondicional dos interesses dos Divulgadores, passando da condição de odiado a de principal ícone político para a legião de Divulgadores em todo Brasil.

Atualmente Vice-Presidente da Aleac, Moisés Diniz já ocupou a função de líder governista na Aleac e ainda é um dos principais e mais fervorosos defensores do governador Tião Viana, gozando de elevada credibilidade do chefe do executivo no Acre.

Além de todas as especulações e indícios envolvendo Bancos e outras empresas concorrentes, curiosamente a ação que paralisou as atividades da TelexFREE ocorreu horas após ocorrer a liberação dos presos na Operação G-7, desmantelada pela Polícia Federal, que tirou de circulação nada menos que uma forte organização criminosa que atuava em desvios de verbas públicas e fraude em licitações no Acre.

Entre os acusados e presos, um sobrinho do governador Tião Viana, vários Secretários de Estado e os maiores empreiteiros do Acre, principais financiadores das campanhas petistas no estado, nos últimos 14 anos.

A soltura dos presos contou com forte aparato de segurança do governo do Acre para proibir a ação da imprensa de registrar a saída. Um escândalo de grandes proporções somente pode ser abafado por outro maior.

Envie uma resposta